Benvingut

catalan

Esta noite sonhei em catalão.

Não me lembro do sonho quase nada – uma casa pela metade, com a lateral toda de espelhos para que se tornasse uma casa inteira, um rio que passava rente, uma mulher que cantava enquanto descia o rio, um jardim com figueiras.

Todas as canções, todos os diálogos, eram em catalão.

E eu não falo catalão.

Pelo menos não em vigília. Pelo menos não conscientemente.

O catalão é, para mim, uma quimera. Tem garras de português, corpo de francês, cabeça de espanhol, e asas que não sei de onde lhes vieram os ossos, os músculos, as plumas.

A própria casa, absolutamente simétrica, de cômodos espelhados, era construída em catalão.

Numa porta se lia “Sortida”, que é uma forma de dizer ao mesmo tempo “sortie” e “saída” e poderia ser daí que eu deduzisse que o sonho fosse nessa língua na qual me meti, há muitos anos, a ler um romance.

Era o “Mecanoscrit del segon origen”, cujo primeiro capítulo (“Quadern de la destrucció”) começava com:

“L’Alba, una noia de catorze anys, verge i bruna, tornava de l’hort de casa seva amb un cistellet de figues negres, de coll de dama, quan s’aturà a avergonyir dos nois, que n’apallissaven un altre i el feien caure al toll de la resclosa, i els va dir:
—Què us ha fet?
I ells li van contestar:
—No el volem amb nosaltres,perquè és negre.”

Entendi sem perceber o que entendia, que é uma forma mais profunda de entendimento (como um koan, como uma iluminação).

Todos os sonhos devem ser uma espécie de catalão do inconsciente, com algo de lúcido (catorze anys, perquè és negre), algo de onírico (amb un cistellet, quan s’aturà a avergonyr, el felen caure al toll de la resclosa”).

Mas este sonho era catalão não só na estrutura, mas em cada gesto, em cada palavra. Sei disso porque minha voz era outra, e eu mudo de voz quando falo outro idioma. E minha voz tinha o timbre que eu talvez tivesse se falasse catalão (nunca falei, e esse timbre desconhecido também era uma pista).

Possivelmente sonhei num catalão inventado naquele momento a partir de palavras um dia lidas e esquecidas (si us plau, gràcies, benvingut, amic meu), a partir das quais se criou uma sintaxe, um vocabulário, um estilo de dispor as janelas em paredes curvas, e a sala se abrir diretamente sobre o rio pelo qual navega sem barco uma mulher a cantar uma canção que nunca foi escrita.

Ali pelos meus 9 anos, assisti uma novela chamada “O homem que sonhava colorido”, e a cada manhã buscava nas lembranças dos meus sonhos algum elemento de cor, algo que me assegurasse que eu não sonhava em preto e branco. E todas as lembranças eram inconclusivas.

Mas sei (não sei como, mas sei) que tanto quanto as conversas e os pensamentos, os espelhos eram catalães, porque só a casa se refletia neles, não os personagens, e eu transitava pelas duas metades dessa casa espelhada como se fossem uma coisa só.

E acordei com esta frase (“L’Alba, una noia de catorze anys, verge i bruna, tornava de l’hort de casa seva amb un cistellet de figues negres”), e havia mesmo figues negres no sonho, numa espécie de jardim quee invadia a casa.

A canção entoada pela mulher que descia o rio, sem barco, levada pelas águas, perdeu-se para sempre.

O sonho era colorido (sei pelas paredes da casa). E despertei cansado, com aquele cansaço de quando se chega de uma viagem a outra língua.

23 comentários em “Benvingut

  1. Andei sozinha por este lugar, por algum tempo… foi aqui que li, antes dos outros milhares, o testemunho de quem guarda uma antiga carta lacrada.

    Será muito bom voltar, ter companhia. Bom também tê-lo livre para criar. Taurinos precisam estar convencidos, profundamente engajados, ou não encontrarão a inspiração da qual necessitam.

    Vida longa à tua livre e imensa criatividade, Mestre.

    Curtir

  2. Já me aconteceu de sonhar que estava em lugar e a falar uma língua que nunca soube qual era. As pessoas no sonho falavam também e nos entendiamos , pensava eu, quase que pela adivinhação que ao final dava certo. E dias depois penso que encontrei a resposta para o sonho de língua e lugar desconhecidos: dias antes ,havia comentado com amigos que gostaria de conhecer um lugar diferente, idioma que eu não soubesse e que não se falasse inglês. Pronto, ficou guardado lá na última gaveta desta cabecinha que mostrou no sonho como seria. O seu foi muito interessante. Quando vou a Barcelona ou outro lugar da Catalunya falo español pois todos falam…mas gosto de escutar conversas em catalão.

    Curtir

  3. Fui casada com um catalão, quase seu xará. Veio para cá jovem, e falava bem o português. Nunca aprendi catalão, mas desenvolvi um sistema que me facilitava o entendimento, transpondo para o francês e, de lá, para o português. Ao menos dava para saber do que se tratava. Mas nada disso vem ao caso. Seu conto é impressionante e aflitivo como os sonhos. Uma pintura surrealista.

    Curtir

    1. Muito bom, querido! Que o seu valor seja sempre reconhecido. Falo sempre para um filho meu, ex_ateu(recentemente achou seu próprio Deus), que analise seus sonhos. Foi uma forma que encontrei, e pedi a Deus, que eles pudessem se comunicar. Aprendi que cada filho tenho que ter uma forma de oração. Beijos! ❤️In

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s